Eça de Queiroz, o sacrílego

21 10 2007

Ainda estou me encantando com A Relíquia.

E adoro quando ele mistura as sacanagens do Teodorico com as obrigações religiosas que ele cumpria só pra agradar a tia. Olha só a primeira visão que o garoto teve de uma mulher bonita, exatamente quando estava rezando. Achei admirável o jeito como ele usa três sentidos (olfato, visão, audição) pra falar da impressão que a presença da mulher causa no garoto. Ele quase me fez sentir o perfume também.

Quando recolhíamos ao quarto, alumiados pelo Gonçalves, passou por nós, bruscamente, no corredor, uma senhora, grande e branca, com um rumor forte de sedas claras, espalhando um aroma de almíscar. Era a inglesa do senhor barão. No meu leito de ferro, desperto pelo barulho das seges, eu pensava nela, rezando Ave-Marias. Nunca roçara corpo tão belo, de um perfume tão penetrante; ela era cheia de graça, O Senhor estava com ela, e passava, bendita entre as mulheres, com um rumor de sedas claras. . .

E eu imagino o escândalo que as passagens abaixo devem ter causado para os católicos mais fervorosos:

Porque agora, eu estava bem decidido a não deixar ir para Jesus, filho de Maria, a aprazível fortuna do Comendador G. Godinho. Pois quê! Não bastavam ao Senhor os seus tesouros incontáveis; as sombrias catedrais de mármore, que atulham a terra e a entristecem; as inscrições, os papeis de credito que a piedade humana constantemente averba em seu nome; as pás de ouro que os Esdados, reverentes, lhe depositam aos pés trespassados de pregos; as alfaias, os cálices, e os botões de punho de diamantes que ele usa na camisa, na sua Igreja da Graça? E ainda voltava, do alto do madeiro, os olhos vorazes para um bule de prata, e uns insípidos prédios da Baixa! Pois bem! Disputaremos esses mesquinhos, fugitivos haveres, tu, ó filho do carpinteiro, mostrando à Titi a chaga que por ela recebeste, uma tarde, numa cidade bárbara da Ásia, e eu adorando essa chaga, com tanto ruído e tanto fausto, que a Titi não possa saber onde está o mérito, se em ti que morreste por nos amar de mais, se em mim que quero morrer por não te saber amar bastante!. . . Assim pensava olhando de través o céu, no silencio da Rua de São Lázaro.

(…)

Muda, impressionada, ela acendeu reverentemente, uma a uma, todas as velas do altar. Chegou mais para a borda uma imagem de São José, favorito da sua alma, para que fosse ele o primeiro a receber a ardente rajada de preces que ia escapar-se, em tumulto, do meu coração cheio e ansioso. Deixou-me entrar, de rastos. Depois, em silêncio, desapareceu, cerrando o reposteiro com recato. E eu ali fiquei, sentado na almofada da Titi, coçando os joelhos, suspirando alto – e pensando na Viscondessa de Souto Santos eu de Vilar-o-Velho, e nos beijos vorazes que lhe atiraria por aqueles ombros maduros e suculentos, se a pudesse ter só um instante, ali mesmo que fosse, no oratório, aos pés de ouro de Jesus, meu Salvador!

Sacrilégio. E literatura de primeira.


Ações

Information

2 responses

22 10 2007
dani

eça de queiroz, na minha opiniao, tem um jeito bem peculiar de escrever. Um jeito sarcástico, meio irônico.. não chega a ser um.. machado de assis, talvez. eu precisava ler mais esses caras, mas confesso que a linguagem torna a leitura muitas vezes meio truncada. infelizmente eu não tenho maturidade literaria para apreciar cada palavra desses moços.

————–

não sei se vc sabe (eu já soube e voltei a saber com o auxílio da wikipedia), mas a obra do eça de queiroz é dividida em 3 partes:
1a fase, meio jornalistica, durante a qual o escritor publica cronicas e artigos para jornais portugueses;
2a fase, realista naturalista, na qual o autor desce a lenha na sociedade portuguesa;
3a fase, a dita fase madura do autor, em q ele faz as pazes com portugal e escreve romances saudosistas e nacionalistas.

——————–

recomendo o primo basilio e o crime do padre amaro, que, embora não tenha lido, também trata de religiosidade.

uma coisa que eu nao sabia (ou lembrava): eça de queiroz foi fruto de uma relação ilicita (o famigerado filho bastardo) e sofreu com preconceito da sociedade. graças a isso temos a 2a fase desse autor. e viva os filhos bastardos! \o/

23 10 2007
Ieda

Dani,

obrigada pela dica. Já botei o Padre Amaro na fila.
e viva os bastardos.
beijo,

Ieda

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: