blog abandonado?

14 12 2008

Ok. Você merece uma explicação para a minha ausência. Então vou dizer o que eu ando fazendo.

Não abandonei o blog. E também não ando sem idéias. Pelo contrário, ando lendo umas coisas bacanas que queria compartilhar com você.

O problema é que estou estudando para o exame final de um curso que foi  oferecido de novo neste trimestre e que eu levei pau há uns dois anos. O assunto é música do século XX. O exame está no computador e tenho que entregar na segunda-feira.

Acabei me enrolando aqui e fiquei com uma semana pra relembrar todo o repertório de um século inteiro. Além de ter que concluir as leituras dos textos todos.

Que raio de prova é essa?

É o seguinte: tenho quinze partituras em mãos — na verdade, no meu computador — e minha tarefa é identificá-las, dando nome do compositor, falar alguma coisa inteligente sobre a linguagem e o meio utilizado e datá-la.

Como se estuda pra uma prova dessas? Basicamente, você tem que se familiarizar com o repertório. Correr os olhos pelo maior número de partituras possível, descrevendo o que vê, fazendo conexões, tentando memorizar cacoetes dos compositores, estilos, fases,

A outra parte da prova é composta de perguntas abertas. Uma que você deve responder em uma hora e duas outras que levam 30 minutos cada uma. Estas são perguntas onde você tem que demonstrar seu conhecimento da literatura sobre música do século XX. Então é importante que você cite, além dos fatos históricos, os nomes dos autores dos livros e artigos. Este é o tipo de prova onde se pode usar a wikipedia. Mas ela é de pouca ajuda se você não leu os textos.

As perguntas são complexas o suficiente pra exigir que você vá além dos fatos. Numa delas, foi pedido que discutíssemos a noção de modernismo na música do século XX e como ela se manifestou em diferentes situações.

Ainda estou trabalhando neste exame.

Assim que terminar e tiver mais tempo,  volto aqui pra falar mais sobre música.





forced to take with shame our own opinion from another

4 12 2008

“In every work of genius we recognize our own rejected thoughts: they come back to us with a certain alienated majesty. Great works of art have no more affecting lesson for us than this. They teach us to abide by our spontaneous impression with good-humored inflexibility then most when the whole cry of voices is on the other side. Else, tomorrow a stranger will say with masterly good sense precisely what we have thought and felt all the time, and we shall be forced to take with shame our own opinion from another.”

Ralph Waldo Emerson, “Self-Reliance” (1841)

Mas o mérito não está em ter a idéia mas sim ter imaginação suficiente para visualizar o pensamento transformado em realidade, coragem para encarar o risco de um possível vexame e disciplina e talento para colocá-la em prática.